sem-imagem

A Faca

Escrito em fevereiro de 2015

 

Milah hoje me pediu para abrir uma caixa que continha um colchão inflável recém-comprado por vovó no Carrefour. Eu falei para ela pedir uma faca ou uma tesoura para vovó que eu abriria a caixa. Milah foi até a cozinha, vovó deu uma faca sem ponta – vale ressaltar – e disse “cuidado para não cortar o dedo!”.

Milah foi tentar abrir a caixa sozinha. Milah arranhou o dedo com a faca.

Eu não deveria ter deixado ela ir pegar a faca sozinha, nem vovó deveria ter dado uma faca (por mais sem ponta que fosse) para uma criança de 07 anos. Milah não deveria ter tentado abrir a caixa sozinha. Minutos depois de se machucar, ela veio me mostrar o dedinho arranhado:

– Olha, nem tá sangrando. Foi só um arranhãozinho.

– Milah, você tá louca! Foi abrir a caixa sozinha! Sabe que não pode mexer com faca, menina! Isso é perigoso, tanto que você se machucou! – respondi.

E continuei berrando minhas preocupações. Milah repetiu:

– Má, nem tá sangrando, olha…

Minutos depois Milah me chama no terraço. Milah está chorando que nem o bebê que era poucos anos atrás. Eu me derreti toda:

– O que foi, meu amor? É o dedinho que tá doendo ainda, é?

– É que eu não sabia que ia me machucar… (chora) Nem tá doendo tanto assim, mas você e vovó disseram que não era pra mexer com faca e acabei me machucando… (chora mais ainda. abre um berreiro).

– Foi o susto, Mi… Você tá chorando pelo susto. Agora sabe que não pode mexer com faca sem um adulto por perto, né?

– Eu me assustei, Marina! Foi o susto… Eu não sabia que ia me machucar… Não conta pra mamãe e pra vovó que eu me cortei, por favor, Marina… Elas vão saber que eu usei a faca sem querer…

E eu a abracei até se acalmar.

Milah é uma criança muito inteligente, atenta, esperta e sensível. Milah foi um bebê igualmente especial. Ela sabe que é isso tudo, e gosta de brincar com as próprias possibilidades. Milah está certíssima em querer fazer coisas novas, se desafiar e surpreender ela mesma. Milah é simplesmente incrível. Mas às vezes Milah corta o dedo. E toma um susto. E chora. E pede colo. Lembrei de quantas vezes – tantas vezes – que mexi com “facas” quando minha mãe dizia para não mexer. E quantas das vezes levei um susto e chorei escondida por saber que eu realmente estava errada.

Acho que todo mundo mexe com faca sem querer querendo em algum momento da vida. Acho que faz parte brincar com o perigo, pensar que a gente pode mais do que consegue. Por mais “Milah” que sejamos, um dia a gente quebra a cara, e aprende. Ou fica quebrando várias vezes até aprender.

Milah tem 07 anos e só queria abrir a caixa para ver o novo colchão inflável. Eu tenho 23 e muitas caixas com colchões infláveis já passaram por mim. Algumas vezes soube manusear a faca e abrir a caixa com sucesso; em outras corri o risco de perder a pontinha do dedo. Em outras, até perdi.

E levei um susto.

E chorei escondida.

E pedi colo para mim mesma.

Hoje em dia posso dizer com orgulho que sei usar facas sem me cortar. Mas, por via das dúvidas, é sempre bom ter um adulto por perto.


Clique e acompanhe o blog pelo Facebook!

Categories: Reticências

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *